Empresas da carteira Stratus fecham ciclo iniciado em 2014 com faturamento anual de R$ 3 bilhões e crescimento de 39% aa

SÃO PAULO, 11 de fevereiro de 2019 /PRNewswire/ — O Grupo Stratus, especializado em gestão de private equity com 20 anos de atuação no Brasil, informou formalmente seus investidores e o mercado no final de janeiro, que concluiu o ciclo de investimentos iniciado em 2014 e dará início a nova carteira a partir de 2019.

Gestora Stratus aposta em média empresa e listagem em bolsa

Enquanto a economia brasileira encolheu por três anos e cresceu pouco nos últimos dois, as empresas do portfólio da gestora de private equity Stratus tiveram crescimento, em média, de 39% ao ano. A Stratus opera num mercado ainda pouco disputado por gestores e que costuma ser menos sedutor aos olhos dos investidores: o das médias empresas. E, em sua estratégia, coloca essas companhias na vitrine do mercado de capitais.

Brazil’s Stratus Launches Consolidation Push in Food and Drugstore Sectors

Brazil’s Stratus Launches Consolidation Push in Food and Drugstore Sectors

Brazil’s Stratus Group has finished deploying its second fund with two deals that will put the midmarket investor’s “buy-and-build” strategy to test.

The São Paulo private-equity firm in the past three months acquired majority stakes in Farma Participações SA—the owner of pharmacy chain Poupafarma—and packaged-food company Alnutri Alimentos Ltda. for a total of about 200 million Brazilian reais ($54.6 million), said Álvaro Gonçalves, a Stratus co-founder and managing partner. Poupafarma and Alnutri became the first operational companies of two platforms—Investfarma SA and DGH Participações SA, also called DGH Foods, respectively—Stratus created to expand each business.

BBM compra divisão de companhia multinacional e expande atuação

BBM compra divisão de companhia multinacional e expande atuação

Criada há 21 anos no Paraná por integrantes da família Battistella, a transportadora rodoviária de cargas BBM passou por uma reestruturação para se tornar uma das maiores operadoras logísticas do Mercosul nos próximos quatro anos. A empresa recebeu em agosto uma injeção de capital do fundo Stratus, especializado em investir em empresas de porte médio. De lá para cá, a direção da BBM foi profissionalizada, foi constituído um conselho de administração e estabelecido um plano de negócios. A meta é quase quadruplicar o faturamento da companhia, saindo de R$ 360 milhões em 2017 para R$ 1,2 bilhão em 2022. Nesse meio tempo, há intenção de abrir capital, nicho em que estão poucas transportadoras.

Cerimônia em São Paulo marca Flex na B3

Cerimônia em São Paulo marca Flex na B3

A listagem da Flex no segmento Bovespa Mais da B3, bolsa de valores brasileira, atesta o compromisso da companhia em sua trajetória de crescimento. Agora, além de ressaltar sua transparência para profissionais e clientes, a empresa tem oportunidade de explorar novos mercados e criar uma exposição adicional positiva para possíveis investidores no futuro.