BBM compra divisão de companhia multinacional e expande atuação

foto27emp-201-bbm-b2.jpg

Prado, presidente: investimento previsto de US$ 50 milhões ao ano até 2022

Fonte: Valor Econômico
27/03/2018
Por Fernanda Pires | De São Paulo

Criada há 21 anos no Paraná por integrantes da família Battistella, a transportadora rodoviária de cargas BBM passou por uma reestruturação para se tornar uma das maiores operadoras logísticas do Mercosul nos próximos quatro anos. A empresa recebeu em agosto uma injeção de capital do fundo Stratus, especializado em investir em empresas de porte médio. De lá para cá, a direção da BBM foi profissionalizada, foi constituído um conselho de administração e estabelecido um plano de negócios. A meta é quase quadruplicar o faturamento da companhia, saindo de R$ 360 milhões em 2017 para R$ 1,2 bilhão em 2022. Nesse meio tempo, há intenção de abrir capital, nicho em que estão poucas transportadoras.

O plano está em marcha. Recentemente, a BBM adquiriu a divisão de transporte terrestre da Kuehne + Nagel Brasil (da gigante mundial de operação logística Kuehne + Nagel), formada pelas subsidiárias Transeich Assessoria e Transeich Armazéns Gerais. O negócio representa acréscimo de R$ 220 milhões na receita da BBM, que deve encerrar o ano em torno de R$ 700 milhões.

O valor da transação não foi revelado. André Padro, executivo que fez carreira em grandes empresas de transporte e assumiu a presidência da BBM, afirma que não se trata de uma simples aquisição. O acordo contempla ainda a parceria entre a BBM e a Kuehne + Nagel. "A Kuehne + Nagel queria se dedicar ao transporte internacional e aos grandes negócios de projetos logísticos globais, que são o foco dela, e ter um parceiro no Mercosul para fazer as operações de transporte", disse.

Segundo ele, a BBM irá investir US$ 50 milhões por ano nos próximos quatro anos. "E dentro desse investimento teve a aquisição das duas empresas", afirmou. Os desembolsos não serão necessariamente para comprar de outras empresas. Podem incluir equipamentos para atender contratos dedicados da empresa.

A atuação da empresa sempre foi principalmente no Sul e no Sudeste, embora tenha algumas operações no Centro-Oeste e Nordeste. Com a aquisição, a BBM reforça a presença em operações inbound (desde a origem da carga até a entrega na fábrica) e outbound (saída da carga da fábrica até pontos de distribuição ou eventualmente cliente final), transporte fracionado, armazenagem e serviços dedicados. Vem crescendo em setores químico, petroquímico, automotivo, cosméticos, adesivos, varejo e eletroeletrônicos.

A transação vai na contramão do que geralmente ocorre no setor de logística, em que os grandes grupos internacionais compram as empresas locais para consolidar posição. O grupo Kuehne + Nagel está presente em mais de 100 países, com aproximadamente 75 mil funcionários.

A BBM não integra o grupo empresarial Battistella. Duas pessoas da família tinham a maioria das ações e havia um terceiro sócio minoritário. "Eles entenderam que seria importante fazer uma parceria com algum investidor que possibilitasse ao negócio crescer", explicou Prado. Aí chegou ao Stratus. A posição acionária muda conforme os aportes para investimentos são feitos. Hoje o fundo detém 45,7% das ações da BBM. A gestão é compartilhada.